Para aplicar no trabalho, nas amizades, no grupo do zap, na vida.

Oi oi gente, Manu aqui 🙂
Manu, redatora na Shoot, para você que chegou agora.

Saudades de escrever newsletters e saudades dEla: nossa imersão. Passamos 6 dias juntos em uma casa de frente pro mar da Ferrugem, em Garopaba, Santa Catarina. Foi lá que nos reunimos para olhar para o ano que passou e para o que está por vir. Todas as pessoas que participaram estão com duas doses de vacina e foram previamente testadas, tá? #VacinaSim

Esse ano, depois de dois anos sem imersões presenciais, Artur e Braga, nossos chefinhos e líderes da imersão, escolheram um roteiro de atividades que priorizavam mais nossas interações livres, nosso descanso e descontração — porque trampar é importante, mas descansar e se divertir é muito mais. Nesse processo, algumas dinâmicas que a gente faz sempre foram fundamentais para o momento e para nos conduzir a pensar, refletir, planejar, interagir, aproximar todos nós. E eu tenho certeza que essas atividades podem ajudar você aí que nos lê, tanto na sua vida pessoal quanto profissional.

Pensando nisso, decidi compartilhar um pedacinho para te inspirar a ter uma comunicação cada vez mais fluida e próxima com quem você quiser. Se liga ein:

Clássico dos clássicos. Aquele momento para dividir como estamos, o que estamos sentindo. Na imersão, cada pessoa deve responder as perguntas no check-in: como eu chego aqui? e o que eu espero da imersão?. No checkout compartilhamos como estamos saindo dessa experiência e o que queremos para este ano.

Essa dinâmica é uma ferramenta excelente tanto para refletir sobre nossas próprias respostas, quanto para compreender como as pessoas ao redor estão se sentindo. Lágrimas rolaram nessas conversas e nos emocionaram profundamente ❤

Para mim, essa é a dinâmica mais especial. Nos reunimos em um círculo e cada pessoa é convidada a completar livremente a frase “Para a Shoot ser 100% minha, ela tem que…” ou “Para a Shoot ser o melhor investimento do meu tempo, ela tem que…”, enquanto alguém registra todos os sonhos ditos pelas pessoas. Quando a última rodada termina (somente quando mais ninguém tem algo a falar, livre, sem regras), todos fecham os olhos enquanto um de nós lê os sonhos no passado, como se estivéssemos no fim do ano, com tudo realizado.

Potente, pois todos os anos vemos os sonhos simplesmente se realizando — ou serve como um lembrete para nos ajudar a realizar aquilo que sonhamos.

Como está nosso fluxo de trabalho hoje? As pessoas são convidadas a pensar sobre suas tarefas e criar em um papel um gráfico em pizza, dividindo o espaço em bad, good e great work, ou seja, trabalhos que faz, mas não gosta de fazer, trabalhos que faz e gosta ou consegue manter na sua rotina e trabalhos que dão muita satisfação. Depois dos desenhos, fica aberto o espaço para compartilhar suas percepções e gerar insights de como podemos otimizar o tempo e a satisfação de cada um.

Esse exercício é muito importante. Dele surgem insights de coisas que nem percebemos no dia a dia, ou da possibilidade de trocarmos de funções e tarefas, ou, melhor ainda, de compreender como cada um está com a sua rotina e usar essa reflexão como gatilho para torná-la melhor.

A forma mais sensível de dar feedback. Nessa dinâmica, elegemos uma pessoa por vez para falarmos sobre o que gostamos e o que gostaríamos de ver mais ela fazendo. É um método propositivo de celebrar os melhores aspectos da individualidade e impulsionar novas atitudes e novas perspectivas sobre o trabalho e envolvimento com o time.

Muuuitas lágrimas nessa aqui também. De alegria, tá? De reconhecimento do quanto somos especiais uns para os outros, de admiração, de reconforto e de injeção de coragem.

E aí, amaram???

Você gosta quando a gente compartilha nossas ferramentas? Imaginou como essas dinâmicas podem ser aplicadas na sua vida? A gente garante que o resultado é sempre surpreendente. Conta pra gente o que achou e o que mais você quer ver por aqui respondendo este e-mail 🙂 E compartilha com todo mundo que você acha que adoraria (ou que precisa) aplicar tudo isso na sua vida.

Na próxima eu volto pra contar como anda nossa rotina de trabalhar apenas 4 dias por semana #choracapitalismo. Beijo!